Blog

Tudo o que você precisa saber sobre compensação de carbono

Entenda melhor os conceitos de compensação e créditos de carbono; qual o vínculo de empresas e países com cada um destes conceitos e porque eles são os principais componentes de um novo mercado, cuja tendência é dominar a economia nos próximos anos ou décadas.

O que é a compensação de carbono?

Atualmente, além de buscarem recursos e procedimentos capazes de reduzir ou até mesmo neutralizar a emissão de gases de efeito estufa, empresas e países de todo o mundo investem na chamada “compensação de carbono”. Como o próprio nome já diz, a compensação é uma tentativa por parte de nações ou organizações de recolocar na atmosfera o gás carbônico absorvido nas últimas décadas, assim como o que ainda é e continuará a ser consumido de forma inevitável. Vale ressaltar: qualquer que seja o processo adotado por um país ou empresa para a compensação de carbono, este só poderá ser executado depois de intensos investimentos na redução ou neutralização da emissão de gases poluentes.

Então, o que são os créditos de carbono?

São, basicamente, o produto principal de um novo mercado, cujas preocupações prioritárias estão voltadas à sociedade e ao meio ambiente. Considerado commodity ao redor de todo o mundo, 1 crédito de carbono equivale a 1 tonelada de gás carbônico e pode ser negociado em um mercado regulado, entre países, ou cedido por uma empresa através do que é conhecido como mercado voluntário.

Mercado regulado

O mercado regulado de créditos de carbono, composto somente por nações, foi estabelecido através de um acordo firmado durante conferência sobre mudanças climáticas realizada no Marrocos, há quase vinte anos, e diz respeito às compensações de emissão de gases de efeito estufa entre países: no mercado regulado, países em desenvolvimento têm a autorização de vender créditos de carbono para países com metas de redução de emissão de gases poluentes já definidas, inclusive ratificadas no famoso Protocolo de Quioto. A autorização para as vendas é concedida pelo governo dos países envolvidos e também pela Organização das Nações Unidas (ONU), mas somente depois de cálculos e avaliações de especialistas.

Mercado voluntário

O mercado voluntário, apesar de ter surgido em paralelo ao regulado, somente envolve empresas, instituições e associações, mas não países. Recebe o nome de voluntário porque suas empresas participantes, de forma geral, não têm obrigações legais com o meio ambiente e com a redução da emissão de gases de efeito estufa no mundo, mas, mesmo assim, investem na compensação de carbono. A maioria das instituições envolvidas no mercado voluntário de compensação de carbono participam através de colaborações em projetos socioambientais e no fornecimento de auxílio a estes projetos em iniciativas sustentáveis. Mesmo tendo selos de reconhecimento internacional, o mercado voluntário de créditos de carbono não exige aprovações e avaliações por parte de órgãos federais.

Especialmente para você e sua empresa: os benefícios de compreender o conceito

Quando você compreende o conceito de compensação de carbono, começa a perceber que, tanto como pessoa física, quanto como pessoa jurídica – a sua empresa, independente do porte – você pode atuar em prol da preservação do meio ambiente para a sua geração e para as gerações futuras. Empresas que são capazes de entender a importância da compensação de carbono e investir, tanto nesta compensação, inclusive comprando créditos, quanto em tentativas de reduzir ou neutralizar a emissão de gases de efeito estufa se destacam no mercado atual e se tornam peças-chave de um novo mercado, preocupado com a sociedade e com o meio ambiente. Tudo isso porque:

1) quando compram créditos de carbono, geram recursos quase sempre investidos na comunidade local, ajudando a sociedade, além de colaborar com o ecossistema;

2) por reduzir a emissão de gases tóxicos e ainda auxiliar projetos sociais, se destacam entre seus clientes e conquistam novos clientes para cada um de seus produtos ou serviços, ampliando sua visibilidade através da associação de benefícios ambientais à missões filantrópicas;

3) quando ampliam sua visibilidade e se tornam parte de um novo mercado totalmente promissor, acabam conquistando, também, o interesse de mais ou melhores investidores e acionistas.

Quando um país, e até mesmo uma empresa, entendem a relevância do conceito de sustentabilidade junto ao seu ecossistema de atuação, contribuem para o desenvolvimento de suas comunidades, em particular, e do planeta, de maneira geral.