Blog

5 fatos que marcaram o meio ambiente no Brasil em 2016

29/12/2016

O que marcou o Brasil em 2016 quando o assunto é meio ambiente? Antes que o ano termine, vamos relembrar 5 fatos importantes.

  1. Abertura da Rio-2016 sobre o clima encanta e conscientiza

meio ambiente 01

A mensagem levada a mais de 3 bilhões de pessoas sobre o aquecimento global durante a abertura dos jogos olímpicos no Rio, certamente se destacou dentre todas as aberturas dos últimos anos. Mesmo com o País mergulhado em crise, o espetáculo conseguiu encantar pela beleza e conscientizar com dados impressionantes sobre o aumento do nível do mar e das temperaturas. Fernando Meirelles, diretor e ambientalista, conseguiu, muito provavelmente, a maior audiência da história para a ciência climática e para o meio ambiente.

  1. Desmatamento na Amazônia sobe e aumenta a conta de emissões do Brasil

O desmatamento na Amazônia alarmou em 2016, subindo para 29%, ou quase 8.000 quilômetros quadrados. É o segundo ano consecutivo de alta.

A elevação significará mais de 130 milhões de toneladas de CO2 na conta de emissões do Brasil em 2016 e um esforço redobrado para alcançar a meta de cortar em 80% as emissões por desmatamento na Amazônia em 2020.

 

meio ambiente 03
  1. O Congresso brasileiro dá um passo para frente e três para trás

O Congresso teve a nobreza de aprovar o Acordo de Paris em tempo recorde: apenas 3 meses, no meio de uma crise política.

Mas, por outro lado, colocou em tramitação três projetos muito preocupantes. Um deles previa a liberação dos carros de passeio a Diesel no Brasil, com direito a Comissão Especial e tudo mais. Um segundo, colocava em pauta a criação de um programa de incentivo ao carvão mineral, com a construção de novas usinas. Felizmente, foi vetado pelo presidente Michel Temer. E ainda um terceiro propunha a flexibilização do licenciamento ambiental capitaneado pela bancada ruralista, que ativistas batizaram de “Fábrica de Marianas”.

  1. BNDES privilegia energia solar à termelétricas

O BNDES anunciou que não financiará mais novas usinas termelétricas movidas a óleo e carvão mineral com crédito subsidiado, por considerar como projetos de futuro incerto. As grandes hidrelétricas irão receber menos dinheiro: o crédito subsidiado caiu de 70% para 50%.

Já os projetos de energia solar ganharam mais subsídio. O crédito passou de 70% para 80% do valor total do projeto. Notícia boa para o meio ambiente.

 

meio ambiente 02
  1. Usina de São Luiz sai do mapa – mas não definitivamente

Ambientalistas, ribeirinhos e indígenas comemoraram este ano o arquivamento da licença ambiental da Usina Hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, pelo Ibama. A usina, de 8.040 megawatts, alagaria o equivalente a meia cidade de São Paulo para gerarenergia a um custo de R$ 30 bilhões.

No entanto, o projeto faraônico pode voltar à pauta em 2022, de acordo com anúncio da Eletrobrás.

 

Parece que assim como a política, o meio-ambiente também não teve muitos momentos de glória no Brasil em 2016. Agora é torcer para que 2017 seja um novo tempo, com mais boas notícias.

 

Até a próxima!

 

* Com informações do Observatório do Clima.